terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Os Atores de Chaves - Ramón Valdés (Seu Madruga)

Olá Pessoal,

Hoje vamos contar a história dos atores de Chaves. E nada como começar com Ramon Valdes, o eterno e saudoso Seu Madruga.
É o meu personagem preferido e acho que é o preferido da grande maioria dos fãs de Chaves. Inseri até um vídeo do episódio O Casamento do Seu Madruga, que não passou no Brasil.

É isso ae pessoal leiam, matem as saudades e se divirtam!
Bruno Mingrone

Ramón Valdés (Seu Madruga)


Seu Madruga

Muito querido pela absoluta maioria dos fãs das séries Chaves e Chapolin, Ramón Valdéz interpretava o Seu Madruga com todo aquele seu carisma único e contagiante. Ele nasceu na Cidade do México e faleceu devido ao câncer pulmonar, já que fumava em demasia. A princípio, o câncer havia atingido o estômago, mas de tanto que fumava, espalhou-se até o pulmão. O saudoso Don Ramón (nome original de seu personagem) foi casado três vezes e teve aproximadamente dez filhos. A cantora Aracely Julián foi uma de suas esposas.

Com dois anos de idade, foi morar com seu pai na cidade de Juárez. Antes de trabalhar com Chespirito, atuou em vários filmes junto com seu irmão Germán "Tin-Tan" Valdéz, um dos mais renomados comediantes do México. Também tinha outro irmão consagrado na comédia: Manuel "El Loco" Valdéz. Alguns dos filmes de que Ramón Valdéz participou foram: "Calabacitas tiernas" (1948), "El rey del barrio" (1949), "Soy Charro de Levita" (1949), "La marca del Zorrillo" (1950), "Fuerte, audaz y valiente" (1960) e "El capitán Mantarraya" (1969). Ramón foi um veterano em cinema, atuando em quase 50 filmes. Também trabalhou em "Sabados de la Fortuna" no Canal 8, e em novelas, como "Lupita" (exibida no Brasil pelo SBT em 1985).

Ramón conheceu Chespirito em uma película onde trabalharam juntos, fazendo um papel pequeno. Trabalhou em "Los Supergenios de la Mesa Cuadrada", onde interpretou "El ingeniebrio Don Juan Ramon Valdez y tirado al anis", um intelectual entregue às bebidas. Mas se fez mundialmente conhecido ao atuar na série "El Chavo del Ocho", onde fazia o Seu Madruga com uma incomparável e singular forma de interpretar seu personagem. Ramón já conhecia Angelines Fernandez do cinema e se tornaram muito amigos.

Segundo alguns conhecidos, Ramón era parecido com seu personagem por sua forma simples de se vestir no dia-a-dia idêntica a do Seu Madruga e também devido às tantas frases ditas pelo pai da Chiquinha na série que, por sinal, faziam parte de seu vocabulário cotidiano. O intérprete do Professor Girafales, Rubén Aguirre, alega que Chespirito, ao ajudar Ramón a compor o personagem, teria dito a ele: "Seja você mesmo!".

No ano de 1979, Ramón Valdéz deixou o elenco do Chaves e foi tentar a sorte na América do Sul, mais precisamente na Venezuela. Lá, participou de um programa humorístico junto com Carlos Villagrán (o Quico). Mas o programa, que se chamava Federrico (onde interpretou Don Moncho), não foi muito bem recebido e Ramón resolveu voltar a fazer parte da família Chaves em 1981. Abandonaria a série novamente no ano seguinte. Nos últimos anos de sua carreira, Ramón Valdéz viajou por todo o México acompanhado de seu circo. Seu derradeiro trabalho foi em 1987 na série "Ah que Kiko!", produzida pela emissora mexicana Telerey em que atuou novamente ao lado do personagem de Carlos Villagrán.



Seu Madruga e sua histórica frase

Curiosidades sobre Ramón Valdés

  • Sabe-se que Ramón Valdés tinha uma memória privilegiada. Fora do estúdio vestia-se quase igual como no seriado, pois afirmava que com os Jeans podia sentar onde quisesse sem temer sujar a roupa. (segundo declarações de seu filho Rafael Valdés).
  • Também tinha rituais curiosos, como fumar um cigarro antes de dormir.
  • Segundo o próprio Chespirito, Ramón Valdez foi a única pessoa até hoje que conseguiu fazê-lo chorar de rir durante uma atuação cômica.
  • Apesar de, no seriado Chaves, Seu Madruga fugir da Bruxa do 71 (Angelines Fernandez), na vida real os dois eram muito bons amigos. Tanto que, quando Ramón morreu em 1988, a atriz passou a noite ao lado do corpo chorando e dizendo "Mi Rorro" (Meu bebê). A atriz ficou tão decepcionada que começou a descuidar da saúde, e começou a envelhecer mais rapidamente. Ramon Valdez Também manteve grande amizade na vida pessoal com os atores Édgar Vivar (que atuou como o Senhor Barriga) e Rubén Aguirre (que interpretou o Professor Girafales também era um dos melhores amigos de Ramón). Villagrán, o Quico na série, foi um dos melhores amigos de Ramón Valdés.
  • Certa vez, quando Ramón estava no hospital, Villagrán foi visitá-lo e lhe disse: "Nos vemos lá em cima, no céu.". Ramón se contrariou, e mantendo seu bom humor disse: "Não se faça de louco, nos vemos lá embaixo, no inferno!".
  • Ramón Valdés nunca pôde desassociar sua pessoa do papel de Seu Madruga. Tanto as pessoas como os produtores não podiam vê-lo em outro papel. O ator confessou para a revista Actores&Actrices&Rumores que, depois de deixar o seriado Chaves, recebeu apenas quatro ofertas para atuar: as quatro eram pedidos de Chespirito para voltar a fazer o papel de Seu Madruga. De qualquer forma, sua carreira não terminou com a sua saída da turma do Chaves: atuou em diversas peças de teatro, duas no colégio de sua filha mais velha e uma no colégio de sua filha mais nova. Em todas as peças, fez o papel de Seu Madruga. Ramón voltou à televisão em 1981, quando Chaves havia se tornado um quadro do Programa Chespirito novamente. 
  • Camisas com o rosto do Seu Madruga são comuns no Brasil. Boa parte dessas camisas possuem a frase "Seu Madruga não morreu". Em outras camisas, ele está caracterizado como Che Guevara ou mesmo Jesus Cristo. Algumas ainda trazem frases ilustres ditas por Don Ramón no seriado como "não existe trabalho ruim, o ruim é ter que trabalhar"
  • Uma das muitas frases de efeito ditas por Ramón Valdéz ao interpretar Seu Madruga se tornou um bordão pouco igualada até os dias de hoje, e figura também em um número incontável de camisas acompanhadas de sua figura: "A vingança nunca é plena. Mata a alma e a envenena!"
  • Dublado no Brasil pelo veterano Carlos Seidl






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário